5 de novembro de 2012

Tragédias, mais uma vez: Deus e Sandy


Furacão Sandy em Nova York
Toda vez que uma catástrofe ou tragédia de grande proporção atinge o mundo retorna à blogosfera a questão do mal e do sofrimento dos inocentes em um mundo governado por um Deus bom e Todo-Poderoso. É o caso do furacão Sandy, que nestes dias tem causado uma enorme destruição e a morte de dezenas de pessoas nos Estados Unidos e outros países. 

De longa data o mal que existe no mundo vem sendo usado como uma tentativa de se provar de que Deus não existe, ou se existe, não é bom. E se for bom, não é todo-poderoso - esta última hipótese defendida pelo teísmo aberto.

"Onde estava Deus quando estas tragédias aconteceram?" é a pergunta de pessoas revoltadas com o fato de que centenas de pessoas boas, desprevenidas, cidadãos de bem, foram apanhados numa tragédia e morreram de forma terrível, deixando para trás famílias, filhos, entes queridos.

Eu entendo a preocupação com o dilema moral que tragédias representam quando vistas a partir do conceito cristão histórico e tradicional de Deus. Se Deus é pessoal, soberano, todo-poderoso, onisciente, amoroso e bom, como então podemos explicar a ocorrência das tragédias, calamidades, doenças, sofrimentos, que atingem bons e maus ao mesmo tempo?

Creio que qualquer tentativa que um cristão que crê que a Bíblia é a Palavra de Deus faça para entender as tragédias, desastres, catástrofes e outros males que sobrevêm à humanidade, não pode deixar de levar em consideração dois componentes da revelação bíblica, que são:

  • A realidade da queda moral e espiritual do homem 
  • O caráter santo e justo de Deus.

Lemos em Gênesis 1—3 que Deus criou o homem, macho e fêmea, à sua imagem e semelhança, e que os colocou no jardim do Éden, com o mandamento para que não comessem do fruto proibido. O texto relata como eles desobedeceram a Deus, seduzidos pela astúcia e tentação de Satanás, e decaíram assim do estado de inocência, retidão e pureza em que haviam sido criados. As conseqüências, além da queda daquela retidão com que haviam sido criados, foram a separação de Deus, a perda da comunhão com ele, e a corrupção por inteiro de suas faculdades, como vontade, entendimento, emoções, consciência, arbítrio. Pior de tudo, ficaram sujeitos à morte, tanto espiritual, que consiste na separação de Deus, como a física e a eterna, esta última sendo a separação de Deus por toda a eternidade.

Este fato, que chamamos de “queda,” afetou não somente a Adão e Eva, mas trouxe estas conseqüências terríveis a toda a sua descendência, isto é, à humanidade que deles procede, pois eles eram o tronco e a cabeça da raça humana. Em outras palavras, a culpa deles foi imputada por Deus aos seus filhos, e a corrupção de sua natureza foi transmitida por geração ordinária a todos os seus descendentes.

Desde cedo na história da Igreja cristã esta doutrina, que tem sido chamada de “pecado original”, foi questionada por gente como Pelágio, que afirmava que o pecado de Adão e Eva afetou somente a eles mesmos, e que seus filhos nasciam isentos, neutros, sem pecado, e sem culpa e sem corrupção inata. Tal ideia foi habilmente rechaçada por homens como Agostinho, Lutero, Calvino e muitos outros, que demonstraram claramente que o ensino bíblico é o que chamamos de depravação total e transmitida, culpa imputada e corrupção herdada. As conseqüências práticas para nós hoje são terríveis. Por causa desta corrupção inata, com a qual já nascemos, somos totalmente indispostos para com as coisas de Deus; somos, por natureza, inimigos de Deus e, portanto, filhos da ira. É desta natureza corrompida que procedem os nossos pecados, as nossas transgressões, as desobediências, as revoltas contra Deus e sua Palavra.

Agora chegamos no ponto crucial e mais relevante para nosso assunto. Entendo que a Bíblia deixa claro que os nossos pecados, tanto o original quanto os pecados atuais que cometemos, por serem transgressões da lei de Deus, nos tornam culpados e portanto sujeitos à ira justa de Deus, à sua justiça retributiva, pela qual ele trata o pecador de acordo com o que ele merece. Ou seja, a humanidade inteira, sem exceção – visto que não há um único justo, um único que seja inocente e sem pecado – está sujeita ao justo castigo de Deus, o que inclui – atenção! – a morte, as misérias espirituais, temporais (onde se enquadram as tragédias, as calamidades, os desastres, as doenças, o sofrimento) e as misérias espirituais (que a Bíblia chama de morte eterna, inferno, lago de fogo, etc.).

A Bíblia revela com muita clareza, e sem a menor preocupação de deixar Deus sujeito à crítica de ser cruel, déspota e injusto, que ele mesmo é quem determinou tragédias e calamidades sobre a raça humana, como parte das misérias temporais causadas pelo pecado original e as transgressões atuais. Isto, é claro, se você acredita realmente que a Bíblia é a Palavra de Deus, e não uma coleção de idéias, lendas, sagas, mitos e estórias politicamente motivadas e destinadas a justificar seus autores.

De acordo com a Bíblia:

  • Foi Deus quem condenou a raça humana à morte no jardim (Gn 2.17; 3.19; Hb 9.27). 
  • Foi ele quem determinou a catástrofe do dilúvio, que aniquilou a raça humana com exceção da família de Noé (Gn 6.17; Mt 24.39; 2Pe 2.5). 
  • Foi ele quem destruiu Sodoma, Gomorra e mais várias cidades da região, com fogo caído do céu (Gn 19.24-25). 
  • Foi ele quem levantou e enviou os caldeus contra a nação de Israel e demais nações ao redor do Mediterrâneo, os quais mataram mulheres, velhos, crianças e fizeram prisioneiros de guerra (Dt 28.49-52; Hab 1.6-11). 
  • Foi ele quem levantou e enviou contra Israel povos vizinhos para saquear, matar e fazer prisioneiros (2Re 24.2; 2Cr 36.17; Jr 1.15-16). 
  • Foi ele quem ameaçou Israel com doenças, pestes, fomes, carestia, seca, pragas caso se desviassem dos seus caminhos (Dt 28). 
  • Foi ele quem enviou as dez pragas contra o Egito, ferindo, matando e trazendo sofrimento a milhares de egípcios, inclusive matando os seus primogênitos (Ex 9.13-14). 
  • Foi o próprio Jesus quem revelou a João o envio de catástrofes futuras sobre a raça humana, como castigos de Deus, próximo da vinda do Senhor, conforme o livro de Apocalipse, tais como guerras, fomes, pestes, pragas, doenças (Apocalipse 6—9), entre outros. 
  • Foi o próprio Jesus quem profetizou a chegada de guerras, fomes, terremotos, epidemias (Lc 21.9-11) e a destruição de Jerusalém, que ele chamou de “dias de vingança” de Deus contra o povo que matou o seu Filho, nos quais até mesmo as grávidas haveriam de sofrer (Lc 21.20-26). 
  • E por fim, Deus já decretou a catástrofe final, a destruição do mundo presente por meio do fogo, no dia do juízo final (2Pe 3.7; 10-12).

Isto não significa, na Bíblia, que o sofrimento das pessoas é sempre causado por uma culpa individual e específica. Há casos, sim, em que as pessoas foram castigadas com sofrimentos temporais em virtude de pecados específicos que cometeram, como por exemplo o rei Uzias que foi ferido de lepra por causa de seu pecado (2Cr 26.19; cf. também o caso de Miriã, Nm 12.10). O rei Davi perdeu um filho por causa de seu adultério (2Sm 12.14). Mas, em muitos outros casos, as tragédias, catástrofes, doenças e sofrimentos não se devem a um pecado específico, mas fazem parte das misérias temporais que sobrevêm à toda a raça humana por conta do estado de pecado e culpa em geral em que todos nós nos encontramos. Deus traz estas misérias e castigos para despertar a raça humana, para provocar o arrependimento, para refrear o pecado do homem, para incutir-lhe temor de Deus, para desapegar o homem das coisas desta vida e levá-lo a refletir sobre as coisas vindouras. Veja, por exemplo, a reflexão atribuída a Moisés no Salmo 90, provavelmente escrito durante os 40 anos de peregrinação no deserto. Veja frases como estas:

Tu reduzes o homem ao pó e dizes: Tornai, filhos dos homens... Tu os arrastas na torrente, são como um sono, como a relva que floresce de madrugada; de madrugada, viceja e floresce; à tarde, murcha e seca. Pois somos consumidos pela tua ira e pelo teu furor, conturbados. Diante de ti puseste as nossas iniqüidades e, sob a luz do teu rosto, os nossos pecados ocultos. Pois todos os nossos dias se passam na tua ira; acabam-se os nossos anos como um breve pensamento...

Não devemos pensar que aquelas pessoas que ficam doentes, passam por tragédias, morrem em catástrofes eram mais pecadoras do que as demais ou que cometeram determinados pecados que lhes acarretou tal castigo. Foi o próprio Jesus quem ensinou isto quando lhe falaram do massacre dos galileus cometido por Pilatos e a tragédia da queda da torre de Siloé que matou dezoito (Lc 13.1-5). Ele ensinou a mesma coisa no caso do cego relatado em João 9.3-4. Os seus discípulos levantaram o problema do sofrimento do cego a partir de um conceito individualista de culpa, ponto que foi rejeitado por Jesus. A cegueira dele não se deveu a um pecado específico, quer dele, quer de seus pais. As pessoas nascem cegas, deformadas, morrem em tragédias e acidentes, perdem tudo que têm em catástrofes, não necessariamente porque são mais pecadoras do que as demais, mas porque somos todos pecadores, culpados, e sujeitos às misérias, castigos e males aqui neste mundo.

No caso do cego, Jesus disse que ele nascera assim “para que se manifestem nele as obras de Deus” (Jo 9.3). Sofrimento, calamidades, etc., não são somente um prelúdio do julgamento eterno de Deus; há também um tipo de sofrimento no qual Deus é glorificado por meio de Cristo em sua graça, e assim se torna, portanto, um exemplo e um prelúdio da salvação eterna. As tragédias servem para levar as pessoas a refletir sobre a temporalidade e fragilidade da vida, e para levá-las a refletir nas coisas espirituais e eternas. Muitos têm encontrado a Deus no caminho do sofrimento.

O que eu quero dizer é que, diante das tragédias e  acidentes devemos nos lembrar que eles ocorrem como parte das misérias e castigos temporais resultantes das nossas culpas, de nossos pecados, como raça pecadora que somos. Poderia ser eu que estava entre as vítimas do furacão Sandy. Ou, alguém muito melhor e mais reto diante de Deus. Ainda assim, Deus não teria cometido qualquer injustiça, ainda que todas as vítimas fossem os melhores homens e mulheres que já pisaram a face da terra. Pois mesmo estes são pecadores. Não existem inocentes diante de Deus, Bonfim. Pensemos nisto, antes de ficarmos indignados contra Deus diante do sofrimento humano.

Por último, preciso deixar claro duas coisas.

Primeira, que nada do que eu disse acima me impede de chorar com os que choram, e sofrer com os que sofrem. Somos membros da mesma raça, e quando um sofre, sofremos com ele.

Segunda, é preciso reconhecer que a revelação bíblica é suficiente, mas não exaustiva. Não temos todas as respostas para todas as perguntas que se levantam quando uma tragédia acontece. Não conhecemos a vida das vítimas e nem os propósitos maiores e finais de Deus com aquela tragédia. Só a eternidade o revelará. Temos que conviver com a falta destas respostas neste lado da eternidade.

Mas, é preferível isto a aceitar respostas que venham a negar o ensino claro da Bíblia sobre Deus, como por exemplo, especular que ele não é soberano e nem onisciente e onipotente. Posso não saber os motivos específicos, mas consola-me saber que Deus é justo, bom e verdadeiro, e que todas as suas obras são perfeitas e retas, e que nele não há engano.

[Este post foi baseado num outro post da minha autoria aqui no blog intitulado Carta a Bonfim: Deus e as Tragédias]

Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com.br/

Dicionário Néo-Pentecostal Evangeliquês



Fé - Crer absolutamente naquilo que o pastor/apóstolo diga
Amor - Atender o chamado do líder de louvor e dizer para a pessoa ao seu lado: “Eu te amo em Cristo Jesus”
Promessa - Carro, casa, dinheiro
Evangelismo - Mandar alguém ir à igreja
Adorar - Chorar durante horas cantando algum tipo de música lenta e repetitiva
Fidelidade - Qualidade mostrada no ato de dizimar/ofertar mensalmente
Levita - Pseudo-músico que se acha superior aos demais por cantar/tocar
Perdão - Ficar fora de comunhão durante um tempo variável de acordo com o pecado
Comunhão - Não ter ninguém te acusando ou falando a seu respeito
Profeta – Expert em leitura corporal e oratória
Deus – O cara responsável por abençoar quando mandado
Espírito Santo – Ser que faz as pessoas caírem e receberem novas unções
Jesus - Um cara que fez o oposto do que deve-se fazer
Inferno – Lugar para onde os que não tem salvação irão
Diabo - O culpado por tudo de ruim que aconteça
Esperança – Ser tão rico quanto os apóstolos da TV
Salvação - Alcançada indo à igreja e sendo fiel (vide fidelidade)
Unção – Algo que se recebe para se sentir superior aos outros
Abençoado – Ser cabeça e não cauda
Pecado - Infração cometida contra a igreja e variável com a cartilha
Igreja – Templo luxuoso que exige fidelidade para sua manutenção

(AUTOR DESCONHECIDO)

http://www.pulpitocristao.com/

24 de junho de 2011

Vem aí o PLC 666 contra a pecadofobia

De autoria do Deputado Federal Adolf Nero Diocleciano, liberdade aos pecados de todos os tipos sem discriminação!!!

O PANIC (Partido Anticonstitucional dos Numerosos Inimigos do Cristianismo) pretende apresentar, em breve, o PLC 666 (Projeto de Lei do Cão, número 666).

O autor do aludido projeto de lei é o conhecido deputado federal Adolf Nero Diocleciano, que já manifestou o desejo de queimar exemplares da Bíblia em praça pública. Ele alega que esse livro é altamente hamartiofóbico, isto é, incentiva o preconceito e a discriminação contra os pecadores.

Conhecido por sua luta pelos direitos do movimento LABAS (Liga dos Adoradores da Besta Apocalíptica e Simpatizantes), Diocleciano tem como meta eliminar toda e qualquer influência do cristianismo no Brasil. Ele pretende, com o PLC 666, proibir os Cristãos de difundirem passagens da Bíblia que condenem o pecado.

A nova lei, se aprovada, contemplará punições para diversos crimes, como a idolatrofobia, a pornofobia, a adulterofobia, a sodomofobia, a pedofilofobia, a efebofilofobia, a latrofobia, etc. O objetivo é diminuir a quantidade de mortes e agressões contra determinados tipos de pecadores. Segundo o DataSodoma e o Ibopedof, o Brasil é campeão de assassinatos e agressões contra sodomitas, pedófilos e efebófilos.

Pregadores, escritores, articulistas e editores de blog que vierem a cercear, de alguma forma, o direito dos pecadores de pecar em paz, sem serem incomodados, em qualquer lugar, serão punidos exemplarmente. Não se permitirá que, num Estado Democrático de Direito e Laico, alguém emita qualquer opinião a respeito dos pecados que as pessoas quiserem cometer…

Desligue agora o modo (ironia). Haja o que houver, os Cristãos que se prezam não se calarão, ainda que sejam condenados à morte. E continuarão pregando o santo Evangelho, que apresenta, não só o amor de Deus, mas também a sua justiça.

Fonte: The Christian Post

2 de maio de 2008

MONTE HORÉBE - MONTE DOS MILAGRES

No dia 15 de março de 2008, é realizado o primeiro culto em baixo da casa de oração da congregação Monte Horébe. No dia 02 de janeiro, quando assumimos a direção da congregação que ainda estava ao lado da casa da família Barros, declaramos em Nome de Jesus que muito em breve estaríamos nos congregando naquela casa e que ali Deus realizaria muitos milagres. Só não sabíamos como isto iria acontecer, mas Deus já tinha tudo preparado.
A igreja reunida ao lado da casa da família Barros
A Congregação Monte Horébe como a recebemos no dia 02 de janeiro de 2008

Isto veio a encher o c
oração dos irmãos de alegria de sorte que todos se motivaram a trabalhar para que aquele sonho fosse realizado. A irmã Wilma Cuimar apresentou sua idéia de comprar um ventilador e depois vender uns cartões para arrecadarmos fundos para a construção da casa do Senhor. Toda a igreja apoiou a idéia, porém, no dia seguinte, Deus falou ao coração da irmã Marlene Barbosa que Ele não queria que sua casa fosse construída com vendas, mas com corações voluntários que Ele mesmo iria preparar. A irmã Marlene ficou preocupada porque tudo já havia sido combinado e não sabia como seria a reação dos irmãos. Então, ela passou a orar e pedir a orientação do Senhor. Três dias depois, o pastor chegou a minha casa a minha procura, mais eu estava no trabalho e então a irmã Marlene me ligou para que não demorasse, pois o pastor tinha algo importante para me comunicar. Ao chegar a minha casa, ela não me deixou nem entrar e disse: corre para a casa do pastor que ele já veio atrás de ti duas vezes. Então, me dirigi para lá e ali estava o presbítero Josué a minha espera. Eu ainda não o conhecia e então o pastor Gabriel me apresentou a ele. O presbítero Josué foi logo ao assunto e me falou: “meu irmão, te chamei aqui por que a tua oração não está me deixando dormir!” e acrescentou: “passei na frente da congregação que diriges e ali o Senhor falou forte no meu coração que eu deveria fazer alguma coisa por aquela casa. Diga-me o que está faltando?” Depois de conversarmos, ele se prontificou a doar parte do material e mão-de-obra para a cobertura da casa do Senhor.
Preparaçaõ e montagem da madeira na cobertura do templo

Então, eu percebi que a resposta do Senhor havia chegado. Ao chegar a minha casa e contar pra irmã Marlene o ocorrido, ela jubilou de alegria e agradeceu ao Senhor, pois aquilo que Ele falou, Ele cumpriu porque DEUS É FIEL. Aleluia!

Neste meio tempo, eu tive a minha fé provada. No dia 10 de fevereiro, trabalhando junto com os irmãos no mutirão de limpeza da congregação, descobri que estava com diabetes. Então, em uma semana eu já havia perdido 80% da minha visão, conforme relatei anteriormente. E, conforme havíamos declarado, eu fui o primeiro a receber o milagre ali naquela casa. Hoje, contrariando a medicina que afirma que diabetes não tem cura, eu estou curado para a glória e honra do Senhor Jesus.

Depois de 05 anos a casa do Senhor recebeu a cobertura e então, marcamos o primeiro culto para o dia 08 de março. O presbítero Josué pediu para que adiassemos a data, pois neste dia ele não poderia estar presente. Marcamos então para o dia 15 de março e o presbítero Josué profetizou: “neste culto vamos ganhar todas as janelas e portas da congregação!”.

Enfim, chega o tão esperado dia. O culto começou às 19:00 e Deus já operando. O Espírito do Senhor revelou que naquele culto havia uma senhora que estava atravessando problemas cardíacos e que ela estava com o coração grande demais, mais que ela deveria chegar à frente e confiar que Deus a curaria naquela hora. Então, a irmã Joana D`arc, da congregação Betel foi à frente e disse que era ela a pessoa. O presbítero Josué intercedeu por ela e disse-lhe: “você foi curada, volte aqui para dar o seu testemunho!” E, como havia sido profetizado, naquela noite a congregação ganhou todas as janelas e portas, mais todas as lajotas para o piso e 31 sacas de cimento, porque Deus é poderoso para nos dar muito mais do que aquilo que pedimos ou pensamos.
1º Culto em baixo do templo
Pb. Josué declarando bençãos sobre os crentesIrmâ Joana D´arc (ao centro) recebendo um novo coração

Desde então, o Senhor tem confirmado as suas promessas. No dia 27 de março, em um culto de santa ceia que iniciou às 18:00, tivemos a visita da irmã Joana D`arc e seu esposo. Ela foi ali para dar testemunho da cura que ela havia recebido no dia 15 de março. Os exames comprovaram que ela tem um coração novo e isto foi mostrado para todos os presentes. Então, a glória do Senhor encheu aquela casa de maneira que ninguém queria sair de lá. Encerramos o culto às 21:45 debaixo da glória do Senhor.

O Senhor tem confirmado a sua promessa à sua Igreja:

“ESTAREI CONVOSCO TODOS OS DIAS ATÉ A CONSUMAÇÃO DOS SÉCULOS!” (Mateus 28.20)


14 de março de 2008

DEUS É FIEL

Sim, Deus é fiel para cumprir toda palavra dita a mim. Deus é fiel! Deus é fiel!
Sim, Deus é fiel para cumprir toda promessa feita a mim. Deus é fiel! Deus é fiel!..

Há um mês, precisamente no mês de fevereiro, empenhado na construção do nosso templo comecei a notar que estava perdendo peso e sentia constante necessidade de beber água. Os irmãos preocupados me aconselharam a procurar um médico e asim o fiz. Me receitaram um exame e de acordo com o resultado, o médico que me acompanhou decretou: considera-te um diabético. Levei um tremendo choque e entrei em depressão, pois, segundo a medicina, a diabetes não tem cura e provoca várias outras complicações no organismo como: problemas cardíacos, respiratórios, renais, cegueira irreversível entre outros. O meu maior desespero foi quando ao iniciar o tratamento para controle do diabetes, comecei a perder a minha visão. Dentro de quatro dias, perdi 80% de minha visão.

Clamei ao Senhor e de imediato não obtive respostas, então o meu desespero aumentou e pensava que ia morrer. Chorava constantemente e a depressão foi tanta que não me alimentava direito e perdi todo o ânimo, inclusive de trabalhar para o Senhor.


Minha Esposa Marlene, serva de Deus disse: Eu não aceito essa enfermidade no meu esposo e, uma noite fui participar de um culto de aniversário do círculo de oração masculino do campo de Genipaúba e ali Deus falou comigo por intermédio do pregador. O Senhor me disse que quando Ele pôe o crente à prova, esse tem de esperar o tempo dEle agir, pois as coisas não são como queremos e sim como Ele quer.

Voltei pra casa consolado e satisfeito, porém, no outro dia voltei a ficar depressivo. Deitei-me na cama e muitas coisas começaram a passar na minha cabeça, chegando até a duvidar da existência de Deus. Mas, naquele momento tão crucial eu ouvi o Espírito Santo falar comigo e me disse: "LANÇA SOBRE MIM TODA A TUA ANSIEDADE, PORQUE EU TENHO CUIDADO DE TÍ". Comecei a chorar de alegria e de imediato levantei e comecei a louvar a Deus e orei assim: “Senhor, se esta é a tua vontade, me ajuda a conviver com esta enfermidade e a aceitar essa perda de visão”.

À noite fui ao culto e ali dei o meu testemunho. Era santa ceia e o presbítero Paulo Moura, ao final do culto convocou a igreja para um clamor a Deus por minha saúde. Ali foi decretada a restauração da minha visão e eu acreditei. No outro dia, fui ao oftalmologista, pois já estava encaminhado pela empresa onde trabalho, e o médico após uma série de exames diagnosticou atgmatismo de 0,5 graus de desvio e disse que aquele problema não tinha nada a ver com a diabetes, receitando em seguida a confecção de lentes corretivas de 3,5 graus para longe e 5,5 graus para leitura. Essa seria uma solução para eu poder enxergar novamente, a outra seria cirurgia a laser que por sinal é caríssima. Aguardei alguns dias e outro médico me falou que era esse o caminho, pois eu não tinha chances de ter a visão normal novamente.

Mandei fazer meus óculos e ao usá-los fiquei sobremodo feliz por poder ver novamente. À noite no culto, testemunhei da minha felicidade, mais ao final um irmão me abraçou com lágrimas nos olhos e me disse: “irmão, Deus vai te curar deste problema e vai devolver a tua visão”.

No outro dia, sexta-feira, 07 de março de 2008, estava retornando de Belém, dirigindo pela BR 316, às 19:30 hs. chovia bastante e, de repente os óculos embaçaram instantaneamente. Fiquei apavorado, pois não pude mais ver nada e imediatamente tirei os óculos para limpá-los com receio de provocar um acidente e tornei a colocá-los no rosto, mais não adiantou. Então, ao retirá-los novamente, tive a felicidade de constatar que estava vendo normalmente.

Deus é fiel! E, conforme Ele havia prometido pela boca de seus profetas, estou com minha visão normal e minha saúde restaurada.

Acima, eu em culto de ação de graças pela minha sáude
JESUS CRISTO é o mesmo ontem, hoje e o será eternamente. Aleluia!

15 de fevereiro de 2008

MONTE HORÉBE - MONTE DE DEUS

A Paz do Senhor a todos,

Depois de 02 meses sem postar, estou retornando e agora para dizer que não mais me congrego na Betel. O ano de 2007 foi um ano de experiências para mim e minha família na obra do Senhor. Pela primeira vez em 20 anos de crente eu assumi a direção de uma congregação, que por sinal foi a congregação Betel onde nasci no Evangelho.

Hoje, estou junto com minha família trabalhando em outra congregação de nome MONTE HORÉBE no bairro da Coleipa. Temos certeza que foi o senhor quem nos encaminhou para esta obra, pois no momento em que soubemos que iríamos trabalhar ali, nosso coração ardeu de satisfação e amor por aquele trabalho.

A congregação MONTE HORÉBE é uma extensão da congregação BETEL, mais o seu templo está com as obras paradas há 05 anos. Atualmente nos reunimos ao lado da casa da irmã Conceição Barros, conhecida como “Concita” que tem acolhido o povo de Deus com muito amor.

Deus tem feito grandes promessas e pela fé, cremos que em breve espaço de tempo estaremos nos congregando em baixo daquele templo e muitas almas serão salvas ali para o reino de Deus.

Abaixo a foto do prédio como nós o recebemos no mês de janeiro de 2008. Em seguida temos a foto do mesmo prédio já com sua cobertura. Muita coisa ainda precisa ser feita, mais com a ajuda daquele que estava com Neemias quando da restauração do templo em Jerusalém, vamos concluir esta obra e tenho certeza que esta casa se encherá da glória do Senhor e vamos testemunhar grandes milagres sendo operados no Nome que está acima de todos os nomes - JESUS!





Louvamos a Deus pelos nossos irmãos em Cristo. Pessoas de grande valor que Deus pôs ao nosso lado para contribuir com esta obra. Agradecemos de coração a família Barros na pessoa do irmão João Barros e esposa Conceição (Concita), Edilene (Margarida), aos irmãos Antônio Cardoso e família, Joel Brito, José Silvério, Moisés Cuimar, José de Arimatéia, Jacó. Irmaõs que são incansáveis no multirão que é realizado todos os domingos. Aos presbíteros Ageu Melo e Josué a quem Deus tem usado de forma extraordinária para abençoar a obra de Deus no campo de Santa Bárbara do Pará. Também agradecemos a todos os servos de Deus que tem contribuído com o lanche e com as preciosas orações, cujos nomes não lembramos agora, mais que Deus nunca esquecerá disso e a recompensa com certeza virá.
video
Deus, nestes últimos dias tem despertado o seu povo para uma grande obra e grandes coisas fará em Santa Bárbara do Pará ainda neste ano de 2008.

3 de dezembro de 2007

MONTE SINAI EM BENEVIDES

A Assembléia de Deus em Santa Bárbara do Pará é formada por várias congregações. Entre elas, está a congregação Betel, situada no bairro de Pau D`arco, onde me congrego. Ali, temos vários grupos de adoração. O que eu faço parte chama-se MONTE SINAI, um Círculo de Oração Masculino que nasceu no coração do irmão Ormendino Campos. Este, ao freqüentar a oração das madrugadas foi impelido pelo Espírito Santo a arregimentar um grupo de homens comprometidos com a oração. Daí nasceu o Círculo de Oração Masculino que se estendeu as outras congregações do campo e também inspirou outras igrejas a fazerem o mesmo.

O Circulo de Oração MONTE SINAI está no seu sexto ano de consagração e conta atualmente com 27 homens.

No último sábado, dia 1º de dezembro de 2007, estivemos no campo de Benevides, participando do 2º aniversário de consagração do Círculo de Oração Masculino “GUERREIROS DO SENHOR”
Deus, como sempre tem feito se manifestou de forma extraordinária em nosso meio.